Loading
fechar

Acesse o conteúdo da Revista

Se você não tem cadastro, Cadastre-se agora

Acesse o conteúdo completo Assine a Revista

Impressa ou digital, em até 12x no cartão

Carrinho

Seu carrinho contém

Item Valor

Revista Negócios PE

Edição nº 142

R$ 130,00

Revista Negócios PE

Edição nº 142

R$ 130,00
Subtotal R$ 149,90

Matérias

Encontre a matéria abaixo ou pesquise aqui

ou por Revistas Guias Seções Cadernos Especiais

Editoriais » Negócios PE - 36ª Edição

Aprendendo com a crise

Conversa informal, com Beto Lago

“Não podemos nos dar ao luxo do imobilismo. Tudo é de urgência. O governo precisa agir rápido”. Quem diz isso é o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias e presidente do Conselho da MRV Engenharia, Rubens Menin. Esse é o perfeito olhar que o empresário da construção civil precisa ter neste momento de dificuldades, de incertezas na economia nacional.

O Governo Federal precisa começar a passar um clima de mais confiança, e até mesmo de responsabilidade, para que o setor que mais gera renda e emprego no País não sofra prejuízos. Até abril, a poupança acumulou saques de R$ 29 bilhões e tem projeções que apontam, caso o ritmo continue assim, de chegar ao final de 2015 com uma saída líquida de R$ 75 bilhões. Isso seria 60% do financiamento imobiliário feito em todo o ano de 2014, de R$ 112 bilhões.

Para tentar reverter este quadro, algumas ações foram apresentadas, como o aumento do crédito à casa própria, liberando os bancos a utilizarem R$ 22,5 bilhões dos depósitos da poupança e a linha de crédito junto ao FGTS para os pró-cotistas. Pouco? Acredito que sim, ainda mais pela necessidade de reaquecer um segmento que vive essas incertezas após a Operação Lava-Jato e os cortes pesados no orçamento da União, atingindo projetos estruturadores como o PAC e o Minha Casa, Minha Vida.

Mas, ao trazer o olhar para Pernambuco, o momento não é visto com tamanha preocupação pelo setor. A chegada da Fiat ao Litoral Norte do Estado pode servir como contraponto ao desaquecimento em Ipojuca e aos problemas com a refinaria e o estaleiro em Suape.

O mercado imobiliário está se ajustando. Os preços dos imóveis tendem a manter ou até mesmo a cair de preço. Quem precisa comprar, vai buscar a melhor forma de adquirir sua casa própria. Quem fugiu do mercado foi o especulador, o grande responsável pelo salto nos valores dos imóveis. Não é à toa que Recife é a quarta cidade com o metro quadrado mais caro do País.

O Governo Federal precisa criar novos mecanismos para manter aquecidas as construtoras, irrigando o programa Minha Casa, Minha Vida, que pode dar um fim ao déficit habitacional do País. Quem sabe, não chegou a hora de se pensar em uma política habitacional? O momento pode não ser favorável, como alguns anos atrás, mas quem souber aproveitar as oportunidades para crescer terá mais gás no momento que a situação virar, como disse Rubens Menin, logo no início deste texto.

Crises não são eternas. Esta veio e vai embora, assim como aconteceu com todas as outras. Precisamos acreditar e trabalhar para sair deste momento.


Beto Lago
Editor-Executivo
betolago@editoranegocios.com.br

Negócios PE - 36ª Edição
Revista Negócios PE

Negócios PE - 36ª Edição

Matérias desta edição

Publicidade | Publicidade 03 - Banner Matrias
PUBLICIDADE