Loading
fechar

Acesse o conteúdo da Revista

Se você não tem cadastro, Cadastre-se agora

Acesse o conteúdo completo Assine a Revista

Impressa ou digital, em até 12x no cartão

Carrinho

Seu carrinho contém

Item Valor

Revista Negócios PE

Edição nº 142

R$ 130,00

Revista Negócios PE

Edição nº 142

R$ 130,00
Subtotal R$ 149,90

Matérias

Encontre a matéria abaixo ou pesquise aqui

ou por Revistas Guias Seções Cadernos Especiais

Colunas » Negócios PE - 44ª Edição

Comunicação empresarial

Por Fernanda Bérgamo

Vou dizer o que você já está cansado de saber: é preciso escrever bem, com correção e clareza, para que a sua imagem, no ambiente profissional, não seja comprometida. Entretanto toda carreira tem sua forma particular de comunicação entre seus iguais. Os publicitários se comunicam entre si com linguagem informal que permite o uso de apelidos, brincadeiras e até palavras impublicáveis. Volto a dizer: entre eles. Já os advogados são extremamente formais e chegam a usar palavras antigas e expressões em latim. Se é o seu caso, você está perdoado se o uso de arcaísmos e rebuscamentos não prejudicar o diálogo entre os interlocutores. Se a mensagem foi passada e se, assim, o objetivo da comunicação foi alcançado com sucesso, você fez o certo. 

Mas eu tenho algumas informações desagradáveis para comunicar:


1- Períodos longos, mesmo que corretamente escritos, são - desculpe a palavra -chato. E, além de chatos, são cansativos. Outro grande prejuízo é que os períodos longos enfraquecem o próprio conteúdo do texto e, na maioria das vezes, o leitor se perde na metade da leitura e é forçado a reler. E ACREDITE: DISSO NIGUÉM GOSTA.

 

2- Palavras e expressões em latim não são elegantes, não despertam admiração. Pelo contrário, irritam porque NIGUÉM GOSTA DE NÃO ENTENDER O QUE ESTÁ SENDO  LIDO. Se você não estiver escrevendo exclusivamente para seus pares, evite-as.

 

3- Reveja o uso do demonstrativo. Se você finaliza seus textos com Isto posto...” e “Nestes termos...”, saiba que NÃO ESTÁ CORRETO. Certo seria “Isso posto” e “Nesses termos".

4- A comunicação é eficiente quando você se preocupa com a adequação. Você não deveria escrever sempre com o mesmo estilo, mesmo que ele seja excelente. É preciso levar em consideração três elementos: o ambiente da comunicação, o interlocutor da mensagem e o assunto. BASTA QUE MUDE UM DESSES ELEMENTOS PARA VOCÊ TER QUE MUDAR A SUA FORMA DE SE COMUNICAR.

 

5- A linguagem rebuscada não e democrática, não é generosa, não é simpática. Saber escrever de forma correta e bem contextualizada palavras como acrimônia, tergiversar e prolegômenos não significa erudição, inteligência, capacidade. TEXTO BOM É TEXTO ACESSÍVEL, com conteúdo claro, objetivo e direto.

 

6- Reveja o uso de “isto é”, “ou seja” e “ou melhor”. Se você utiliza para dizer, de outra forma, o que já foi dito, das duas uma: ou você não acredita na capacidade de entendimento de seu leitor ou - o que é pior - você não foi suficientemente claro na primeira vez e precisou escrever explicando novamente. NÃO SERIA MELHOR REESCREVER DE FORMA A SER ENTENDIDO NA PRIMEIRA LEITURA?

 

7- Arcaísmos não recebem esse nome à toa. São termos que caíram em desuso e, portanto, não devem mais ser usados. As palavras, como as pessoas, também passam por diversas transformações, pois a língua é viva, sendo a expressão da sociedade de uma época. Prepare-se para, NUM FUTURO BEM PRÓXIMO, deixar de usar as mesóclises dos pronomes oblíquos (far-se-á, por exemplo) e o pronome “vós”.


Ninguém é obrigado a saber tudo isso, mas o bom profissional está sempre se atualizando, aperfeiçoando o próprio estilo. Se a língua muda, você também precisa mudar.

Negócios PE - 44ª Edição
Revista Negócios PE

Negócios PE - 44ª Edição

Matérias desta edição

Negócios PE - 44ª Edição
Negócios PE

Negócios PE - 44ª Edição

Apenas R$ 29,90
Publicidade | Publicidade 03 - Banner Matrias
PUBLICIDADE