Loading
fechar

Acesse o conteúdo da Revista

Se você não tem cadastro, Cadastre-se agora

Acesse o conteúdo completo Assine a Revista

Impressa ou digital, em até 12x no cartão

Carrinho

Seu carrinho contém

Item Valor

Revista Negócios PE

Edição nº 142

R$ 130,00

Revista Negócios PE

Edição nº 142

R$ 130,00
Subtotal R$ 149,90

Matérias

Encontre a matéria abaixo ou pesquise aqui

ou por Revistas Guias Seções Cadernos Especiais

Matérias » Negócios PE - 43ª Edição

O AÇAÍ CHEGA EM ESCALA INDUSTRIAL NA EUROPA

Países como Espanha e Portugal recebem lojas físicas do produto extraído de máquinas
Rodrigo Melo, ao centro, e os sócios planejam 40 lojas na Europa em 2017

Por Bárbara Travassos | Fotos Bosco Lacerda

O açaí caiu no gosto dos brasileiros e dos europeus. Tido como o “queridinho” da geração jovem e fitness, o fruto de uma espécie de palmeira nativa da Região Amazônica é um alimento rico em fibras, proteínas, potássio, magnésio, cálcio, gorduras boas e vitaminas. E a geração saúde é o grande público consumidor. Há alguns anos na Europa, o produto chegou em formato de polpa, sucos e até o açaí batido e servido na tigela, com textura cremosa. Em países como Portugal e Espanha, o insumo já é encontrado em supermercados e redes de lojas de produtos orgânicos.


Visando este nicho, a marca pernambucana Açaí Concept desenvolveu um plano de expansão para entrar de vez no mercado europeu. Mas, para conquistar outras terras, foi necessário se pensar na distribuição em uma escala industrial, através de uma técnica de produção e fornecimento ao cliente do açaí em máquinas parecidas com as de sorvete de fast food. E o negócio deu certo. Em Portugal, já são 2 unidades, uma em pleno funcionamento na cidade de Matosinhos e outra prestes a abrir as portas, agora em maio, no Mercado do Bom Sucesso, na cidade do Porto.


A meta do grupo é inaugurar, até o final de 2017, cerca de 40 pontos na Espanha e em Portugal, como explica o sócio do braço de expansão da marca, a “União Concept”, Ricardo Neves. “Estamos em negociação e com muitas demandas de franquias para serem abertas em shoppings em Madri e Barcelona, na Espanha. Estamos fechando parcerias para começar a girar operações em quiosques, totens, food truck e lojas tradicionais”, revelou Neves.


A história da Açaí Concept é recente e considerada um case de sucesso. Fundada pelo pernambucano Rodrigo Melo – que atuou como executivo de multinacionais como Unilever e Kraft Foods (hoje Mondeléz) – e pelo português Miguel Matos que já era experiente no mercado de franchising. A primeira loja foi aberta no Recife. A partir daí, eles definiram estratégias para consolidar, no mercado brasileiro, o açaí com o conceito de fast food saudável, sendo o produto preparado por máquinas, com padronização industrial.


CASE DE SUCESSO - Com menos de três anos, a Açaí Concept já é a maior franquia do produto no mundo, com mais de 200 unidades instaladas no Brasil, além da loja padrão lançada em Matosinhos, em Portugal, em outubro de 2016. “Não esperávamos que esta expansão seria tão rápida. Sempre acreditei no mercado de alimentação saudável. Também analisamos que o açaí ganha cada vez mais adeptos e que veio pra ficar. O fast food saudável é algo prático e rápido”, explica Melo.


Ele atribui o rápido crescimento da marca aos baixos custos de operação para os franqueados e à alta lucratividade. “Além da qualidade do nosso produto, a marca é jovem, atrativa, com formato de negócio simplificado, baixa complexidade, custo pequeno de investimento inicial para o franqueado e muito lucrativo”, afirma o empresário.

Para montar uma loja padrão, o investimento varia de R$ 120 mil a R$ 150 mil. O franqueado direciona 10% do investimento para o fl uxo de caixa e a marca garante o retorno após período de 10 a 12 meses, com margem de contribuição de 25%. Rodrigo Melo conta que no Brasil o faturamento mensal das lojas gira em torno dos R$ 40 mil, tendo um pico nas unidades instaladas em shoppings, que chegam a faturar até R$ 80 mil. Na Europa, esta média é de 25 a 30 mil euros.


“Em toda a rede, nosso faturamento alcançou a casa dos R$ 100 milhões. Temos uma fábrica terceirizada, em São Paulo, que realiza a distribuição do açaí em contêineres refrigerados, via malha rodoviária, para todo o país. Cerca de 5% desta operação é destinada à exportação. Para a Europa, esta logística é feita por via aérea”, detalha Rodrigo Melo, acrescentando que está negociando a abertura, em julho, de uma unidade na Flórida, nos Estados Unidos, e outra em Sidney, na Austrália.

Modelo simplifi cado é o segredo da franquia


Há nove meses com uma loja da Açaí Concept na Madalena, Zona Norte do Recife, Matheus Calado está muito satisfeito em ter investido na marca. Ele tem 26 anos de idade, é advogado e vice-presidente da Associação dos Jovens Empresários de Pernambuco (AJE-PE) e há 4 anos estava em busca de uma franquia para abrir. “Desde que comecei a trabalhar no meu escritório, juntei dinheiro para aplicar em um novo negócio. Comprei duas taxas de franquias e já estou procurando o outro ponto físico para me instalar”,afirma Calado.


O empresário já conhecia a marca através de um amigo que tem quatro unidades e é o franqueado master em Teresina, no Piauí. Ele apostou neste modelo, que considera muito prático, junto a outros dois sócios.Matheus explica que a proposta é simples: “São poucos fornecedores envolvidos. Um para o açaí e a granola; outro para caldas e mel; um para materiais plásticos e descartáveis como copos, colheres, toucas, luvas, sacolas de entrega; e o resto é comprado em atacado, que são os acompanhamentos do açaí”

Um grande diferencial que o franqueado enxerga na marca é a quantidade ilimitada de acompanhamentos que são oferecidos para serem servidos dentro do copo de açaí. Caldas, leite condensado, leite em pó, ovomaltine, fl ocos de arroz, paçoca, cereais, granola, morango, banana e até sorvete de outra fruta exótica, a pitaya, podem ser adicionados ao açaí sem custo extra. Outra vantagem destacada por ele é a rapidez com que o açaí sai da máquina para o copo descartável, possibilitando, inclusive, que o cliente saia da loja, muitas vezes, levando o pedido para a academia ou para casa. Matheus diz que outro ponto bastante positivo é a disponibilidade do dono da franquia para tirar dúvidas e dar dicas de como melhorar o desenvolvimento do negócio. Em sua loja da Madalena, ele já tem quatro funcionários, consegue faturar cerca de R$ 30 mil – dos quais tira um lucro líquido médio de R$ 8 mil por mês – e já vai investir em serviço terceirizado de entrega e em anúncio no aplicativo de vendas Ifood para lucrar ainda mais.

Negócios PE - 43ª Edição
Revista Negócios PE

Negócios PE - 43ª Edição

Matérias desta edição

Negócios PE - 43ª Edição
Negócios PE

Negócios PE - 43ª Edição

Apenas R$ 29,90
Publicidade | Publicidade 03 - Banner Matrias
PUBLICIDADE